22/02/2018 09:00
GOMA Produtos

Conheça os principais tipos de buchas e suas aplicações

 

 

 

Quem nunca teve vontade de pendurar o tão sonhado diploma na parede ou então precisou instalar o suporte para receber aquela TV novinha em folha? Para essas e outras tarefas como a instalação de prateleiras, suportes e quadros, é necessário escolher a bucha de fixação adequada para realizar uma montagem correta e segura.

A bucha é um item complementar aos parafusos e tem como função dar fixação e aderência. Dentro desse artigo iremos abordar 3 tipos de buchas dentre as mais comuns, como devem ser feitas as suas instalações e quais são os locais mais indicados para realizá-las.

 

Quais tipos de buchas escolher?

 

Embora a maioria das pessoas não saiba, há importantes variações quanto ao uso das buchas. Cada tipo serve especificamente para uma determinada aplicação, trazendo maior qualidade para a fixação.

Quando o consumidor procura por uma bucha "comum" (de plástico), entender o que ele quer fazer com ela e indicar o item mais adequado é um grande diferencial para o atendimento da sua loja.

Para efetuar uma boa escolha é importante conhecer bem dois fatores. O primeiro é o local de fixação, também conhecido como base de ancoragem. Alguns exemplos de locais nos quais as buchas costumam ser fixadas são:

 

 

 - Tijolo oco ou Bloco de concreto;

 - Concreto ou Tijolo maciço;

 - Divisórias em geral;

 - Forro de gesso;

 - Drywall;

 

 

 

O tipo indicado de bucha depende diretamente da base em que ela será ancorada. Avalie, agora, um segundo fator: a carga máxima que será suportada. Esse aspecto também é determinante para fazer a escolha certa.

Ambos os fatores não devem ser negligenciados, pois, é preciso garantir que a montagem possua uma boa fixação e não cause danos e avarias à parede. Além disso, há motivos de segurança que devem ser observados para que ninguém se machuque com a possível queda de um objeto.

Confira os tipos de buchas mais comuns no mercado, bem como as suas aplicações e nunca mais erre na hora de indicar o melhor tipo de bucha para o serviço do seu cliente!

 

 

Buchas S

 

As Buchas S são o tipo mais comum. A sua aplicação é realizada em paredes de concreto, alvenaria, tijolo maciço e placas pré-moldadas, por esse motivo são bem conhecidas.

Para que a instalação seja efetuada corretamente deve-se realizar o furo na parede de acordo com especificação contida na base da bucha, ou seja, se na bucha está escrito o número 6, deve-se utilizar a broca de 6mm para perfurar a parede. Após essa etapa basta inserir a bucha e apertar o parafuso até que esteja bem fixado.

No mercado elas são encontradas em dois formatos, com e sem aba. A aba nada mais é do que um anel que limita a entrada da bucha na parede, evitando perder a bucha dentro do furo já feito.

Bucha S sem aba

Bucha S com aba

 

 

Buchas FU

 

Também possuindo uma ampla aplicação, esse tipo de bucha pode ser empregado em tijolos vazados, perfurados ou maciços, em concretos ou concretos celulares, em placas de gesso acartonado e outras paredes que possuam uma espessura maior do que 6 mm.

Entre as aplicações possíveis estão trilhos de cortinasprateleiras e toalheiros. Assim como indicado nas buchas S, o mesmo processo de instalação é realizado aqui. Basta que se realize o furo de acordo com a especificação da bucha, a introduza e em seguida dê o aperto necessário no parafuso garantindo a fixação.

 

 

 

 

Buchas de expansão

 

Diferentemente da bucha anterior, nesse caso o parafuso já vem pré-montado na bucha. Em sua instalação basta realizar o furo, inserir a bucha e realizar o aperto no parafuso. Quando se aplica o aperto no parafuso as “abas” da bucha se expandem e realizam a fixação junto à parede.

O uso dessa bucha é recomendado em drywalls, forros de gesso, divisórias em geral e placas de fibra. No entanto, a instalação em drywall pode ser um pouco mais complicada, por isso, sugerimos que você consulte um passo a passo mais detalhado.

 

 

 

Bucha metálica expansiva

 

A principal diferença, além de uma maior resistência, entre a bucha metálica expansiva e a de expansão, reside no material a partir do qual ela é produzida, qual seja, o metal.

Esse tipo de bucha é muito utilizado em divisórias, sendo de fácil manuseio. É ideal para tetos de gesso, chapas em arco, placas de fibras prensadas ou aglomeradas, placas de gesso com fibras e placas maciças, como a de lã vegetal em aço.

 

 

 

Bucha para parede seca (dry-wall)

 

Mais conhecidas como buchas para drywall, elas se dividem em 3 categorias: bucha basculante, bucha de expansão (citado acima) e bucha-parafuso. Como o drywall não usa argamassa, as buchas servem de auxílio para o suporte de peso.

As buchas-parafuso são indicadas para suportar 15 kg, enquanto as de expansão suportam 30 kg e as basculantes podem aguentar até 50 kg. Mesmo sendo recomendadas para prover essa sustentação no drywall, também são aplicáveis em estruturas de gesso.

 

Bucha de expansão

Bucha de expansão

Bucha parafuso

Bucha parafuso

Bucha basculante

Bucha basculante

 

 

 

 

Buchas longas de nylon

 

As buchas de nylon conferem mais durabilidade em comparação com as de plástico. Além de mais resistentes, elas apresentam maior capacidade para suportar peso, sendo uma opção superior em relação às buchas de polietileno.

Se você precisa fixar algo em uma superfície oca ou, ainda, em uma rede de tijolos disposta lateralmente, as buchas longas de nylon são as mais indicadas.

 

 

Outras buchas e aplicações

 

Existem, ainda, alguns tipos de buchas que, a despeito de mais raras nas aplicações do dia a dia, têm uso específico. É o caso de buchas que são usadas apenas em certos tipos de parafuso, como o cabeça de panela ou os de cabeça chata.

As buchas abertas com mola também merecem ser citadas, pois são ideais para suspender objetos no forro. Para pendurar objetos mais pesados, as buchas com gancho são mais indicadas.

Pensando na durabilidade e resistência das peças, é crucial não adquirir buchas que não apresentem níveis mínimos de segurança. Nesse sentido, as buchas de plástico devem ser dispensadas, priorizando, sempre, o uso daquelas que são feitas de nylon.

O plástico, por sua vez, é um material menos denso. Basta colocar buchas de ambos os materiais na água para sentir a diferença: as de plástico flutuam enquanto as de nylon afundam. Lembre-se: escolher pelo material mais adequado faz toda a diferença.

 

 

Buchas de qualidade

 

Há todo um universo de aplicações em relação aos diferentes tipos de bucha. Para não errar na escolha, mantenha a cautela, respeitando sempre as informações fornecidas pelo fabricante. Caso contrário, uma pequena decisão incorreta pode se tornar uma grande dor de cabeça.

É importante que as buchas tenham qualidade, portanto, não abra mão de um bom fornecedor. Conhecer de onde vem o seu produto é crucial para adquirir itens com durabilidade e resistência.

A GOMA disponibiliza todos esses tipos de buchas ensacadas em pequenas quantidades, possibilitando maior organização e agilidade na hora de expor e vender.

Gostou do nosso post? Então, conheça os nossos produtos e otimize a sua loja de materiais de construção com as melhores soluções!

 

 

 

 




Veja Também

16
Abr
2019

Revolução da organização de parafusos na loja de material de construção

    Olá. Hoje vim aqui escrever a respeito de algo que nos chamou muita atenção há algum tempo, e posteriormente virou um dos nossos produtos de mais sucesso.   Nas minhas viagens procuro sempre visitar as lojas dos principais Home Centers do Brasil, um dos motivos é que alguns são nossos clientes e o outro é que eles sempre lançam tendência em relação a organização de loja e formatos de venda. Uma das coisas que mais me chamou atenção foi a forma que eles vendem parafusos.   Por serem lojas grandes e todas em formato de auto-serviço, fica inviável vender parafusos a granel pois o controle de estoque é difícil, o cliente não consegue se servir sozinho porque o produto não tem código de barras, enfim um produto de baixo valor agregado fica difícil de se vender sozinho.     MANEIRA ANTIGA DE VENDER PARAFUSOS      > PRODUTOS SEM CÓDIGO DE BARRAS    > BAIXO CONTROLE DE ESTOQUE    > FURTO E PERDAS DE PRODUTOS    > NECESSIDADE DA AJUDA DE UM VENDEDOR    > VISUAL NADA ATRATIVO    > NECESSIDADE CONSTANTE DE ORGANIZAÇÃO     Revolucionando a venda de parafusos O que eles fizeram? Passaram a vender os parafusos encartelados em pequenas quantidades. Dessa forma o cliente consegue comprar o que precisa sem ajuda de nenhum vendedor (É claro, os vendedores estão sempre lá para ajudar e tirar dúvidas). Contudo, nesse formato, o produto passa a ter código de barras, o cliente rapidamente escolhe já passa no caixa e o controle de estoque da loja fica muito mais organizado. Isso me saltou aos olhos e percebi que não tinha empresas fazendo esse serviço, de forma satisfatória, para lojas de porte grande em cidades menores.     GOMA Bric Foi assim que surgiu a linha GOMA Bric, uma forma diferente das lojas de materiais de construção venderem parafusos. Um jeito mais convidativo aos olhos do cliente, algo que desperte seu interesse e o induza a comprar.   Utilizando o expositor Goma Bric, os parafusos ficam muito mais organizados e convidativos para compra. Pode-se ver um exemplo na foto abaixo.   Expositor Goma     Nossa linha de parafusos Goma Bric disponibiliza um expositor onde através de um único lugar consegue oferecer todos os tipos de parafuso para seu cliente. Assim, os tipos e tamanhos ficam organizados e catalogados, ficando fácil de o vendedor vender ou de o cliente achar um parafuso específico.   VANTAGENS EXPOSITOR GOMA BRIC: A - TODOS OS PARAFUSOS ORGANIZADOS EM UM SÓ LUGAR; B - EXPOSITOR BONITO QUE CONVIDA O CLIENTE A COMPRAR; C - VENDA RÁPIDA, AGILIDADE PARA O VENDEDOR E SATISFAÇÃO PARA O CLIENTE.   Outra grande vantagem é ter um mix de produtos que realmente giram. Nós fizemos uma pesquisa prévia dos produtos que mais vendem e oferecemos somente o que acreditamos ser necessário para loja. Deixamos nossos cliente a vontade para montar seu mix e também sugerir outros produtos para adicionarmos na linha!         Guilherme Zanini Sócio Proprietário GOMA    

Ler mais
17
Out
2018

Como elaborar política de troca de produto na loja

    Quem está inserido no comércio, seja varejista, seja de atacado, tem que lidar com a troca de produto. Mas o que a legislação diz a respeito? Quais são as obrigações da loja? E os direitos dos consumidores? A questão é simples e bem definida do ponto de vista legal. Para lojas físicas, não é necessário permitir a troca ou a devolução em razão de arrependimento, gosto ou motivo pessoal, de forma que a possibilidade pode ser autorizada, ou não, conforme decisão do lojista em prazo e condições por ele especificadas. Entretanto, em caso de defeitos, para compras feitas pela internet ou catálogos, o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/1990) é claro. A troca ou devolução são obrigatórias em até sete dias contados a partir do recebimento do produto (por arrependimento ou qualquer outra razão). Nesses casos, a empresa é responsável pela devolução integral do valor pago e pelo custeio das taxas de transporte. Listamos abaixo quatro dicas que vão ajudar você a elaborar uma política de troca de produtos na sua loja. Confira quais são elas agora mesmo!   Exponha a sua política de troca e devolução Conforme explicamos acima, em casos de loja física, a troca de produto não é obrigatória, mas é de bom tom oferecer a possibilidade dentro de regras estabelecidas. Por isso, é importante, no ato da compra, que o vendedor informe ao cliente qual é a política de troca e de devolução da loja. Em geral, o prazo pode variar de 7 a 30 dias, mediante apresentação de cupom fiscal. Além de reforçar as condições para troca no ato do pagamento, outra dica é fixar próximo ao caixa um aviso explicando qual é o posicionamento da loja e as regras em situações desse tipo.     Gere um bom relacionamento Para gerar um bom relacionamento e garantir que a política de troca não seja um ponto de discordância entre clientes e loja, é preciso ser claro e objetivo. Definir bem as condições de troca e prazos, especificando as regras para produtos com ou sem defeito, se existe reembolso, troca imediata ou sistema de crédito e como ficam os custos para transporte do produto adquirido e que precisará ser devolvido é essencial. Mantendo as regras claras e um diálogo honesto, o lojista gera um bom relacionamento com o cliente e estabelece um vínculo de confiança, importante para que a relação comercial seja duradoura.   Promova um atendimento diferenciado Outra dica é promover um atendimento diferenciado. Isso é primordial para o sucesso da venda, já que, quanto mais personalizado for o atendimento, maiores são as chances de que a negociação seja satisfatória, ou seja, que as necessidades reais do cliente sejam supridas com a compra, eliminando a ocorrência de trocas.   Trabalhe o pós-venda Trabalhar o pós-venda também é relevante para cativar os clientes. Essa dica está diretamente ligada à anterior, sobre promover um atendimento diferenciado. O relacionamento entre consumidor e loja não termina no ato da compra, mas perdura durante a utilização das mercadorias adquiridas. Por isso, mantenha ações focadas no pós-venda, como criação de newsletter para alimentação de consumidores, programas de fidelização com vantagens para clientes mais ativos, uma simples ligação para checar se correu tudo bem com a entrega dos produtos etc. Ações simples fazem toda a diferença e auxiliam também na satisfação do consumidor com a loja e com os produtos, minimizando a ocorrência de trocas. Conforme mostramos ao longo do texto, elaborar a política de troca de produto não é complicado. Pelo contrário. Basta definir as regras com seriedade, garantir uma comunicação clara e direta sobre as normas, prestar um atendimento diferenciado e investir em ações de pós-venda. Dessa forma, a negociação tem tudo para transcorrer de maneira eficiente e o relacionamento entre loja e cliente tem tudo para perdurar. Gostou do nosso artigo sobre elaboração de política de trocas? Então que tal assinar nossa newsletter e receber periodicamente dicas sobre gestão e varejo?  

Ler mais
09
Out
2018

Aprenda como montar uma vitrine!

  Além de oferecer produtos diferenciados, estabelecer o comércio em um ponto movimentado, definir ações de marketing, obter bom controle de estoque e fluxo de caixa, capacitar funcionários e manter os preços competitivos, o lojista precisa chamar atenção dos consumidores. Atraí-los. Para conquistar tal objetivo, é necessário saber como montar uma vitrine interessante. Isso porque, a vitrine é o principal cartão de visitas do comerciante e acertar na montagem faz com que um número maior de potenciais compradores entrem no estabelecimento. Aliando a decisão de entrada com os outros itens citados acima, como qualidade, preço e bom atendimento, o resultado é apenas um: o sucesso.   Quer aprender como montar uma vitrine eficiente? Confira as dicas que listamos abaixo agora mesmo! Conheça o seu público Antes de se preocupar em como montar uma vitrine, é preciso conhecer seu público. Saber, de fato, quem você quer atrair e o que você tem a oferecer a essa pessoa é primordial para criar uma vitrine que dialogue diretamente com ela. Por isso, tenha em mente o foco na solução, ou seja, em oferecer ao seu cliente ideal o que ele precisa.   Fique atento à iluminação Também é primordial ficar atento à iluminação. A luz é capaz de provocar sensações nos consumidores, valorizando produtos, criando ambientes atraentes, instigando-os. A iluminação amarela, por exemplo, cria ares intimistas e de acolhimento, enquanto a iluminação branca é alegre e vibrante. Além de impactar na atmosfera da vitrine, a iluminação é capaz de valorizar produtos, por meio de spots direcionados ou giratórios. A técnica é eficaz na medida em que faz com que o consumidor dê mais atenção aos produtos mais interessantes para o lojista, como itens promocionais, itens sazonais ou itens em grande volume no estoque.   Evite exageros A vitrine é o cartão de visitas da loja e, por isso, deve conter informações na medida certa. Não é interessante incluir dezenas de produtos na vitrine. É preciso planejar a disposição dos itens de maneira harmônica, sem deixar muito espaço inutilizado ou criar um ambiente tumultuado. O objetivo é produzir uma vitrine que mostre o que o consumidor quer ver e o instigue a entrar no estabelecimento e não criar um catálogo de produtos.     Relacione os produtos entre si A vitrine que relaciona produtos entre si é muito mais eficiente. Isso porque desperta sensações de desejo no consumidor, mostrando como diferentes itens são complementares de uma maneira simples, didática, objetiva e visual.     Evite os erros comuns Os principais erros cometidos por lojistas que não sabem bem como montar uma vitrine são: a desorganização; a falta de planejamento estratégico na montagem; o não acompanhamento das tendências; a "propaganda enganosa". Criar uma vitrine desorganizada passa impressão de falta de profissionalismo. Falhar no planejamento estratégico cria um aspecto de desordem. Não acompanhar as tendências mostra que o lojista não se preocupa e não analisa a concorrência, enquanto oferecer produtos que não estão disponíveis faz com que o consumidor sinta-se enganado. Conforme mostramos neste post, saber como montar uma vitrine interessante é primordial para o sucesso da loja. Conhecendo seu público, ficando atento à iluminação, evitando exageros, criando uma combinação harmoniosa e evitando os erros mais comuns, certamente, você vai montar uma vitrine capaz de levar muitos consumidores para dentro da loja! Gostou das nossas dicas sobre como montar uma vitrine? Então, que tal aprender  a criar promoções e aumentar as vendas? Veja como fazer a lucratividade da loja crescer de maneira saudável e eficiente!

Ler mais
Voltar
ASSINE NOSSA NEWSLETTER

INSTITUCIONAL

REDES SOCIAIS

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. PLATAFORMA MEGYS DESENVOLVIDA POR YDEAL TECNOLOGIA